Memórias de Jaguariúna

Jaguariunenses se tornam atores e produções são marcadas pela criatividade e bom humor

por Gislaine Mathias em 27/01/2021 Capa do primeiro filme produzido por jaguariunensesTrun, Caçadores de Vampiros, Máfia em Jaguariúna 1 e Máfia em Jaguariúna 2 – A Volta do Boto. Esses foram os títulos dos quatro filmes produzidos por um grupo de jaguariunenses, que usou a criatividade e o bom humor para a realização de gravações de longas-metragens em VHS, no final da década de 80 e início dos anos 90.  
 
Carlitão, Tulio Faria, Reinaldo Chiarotti, Douglas Machado e Divino Lopes foram alguns dos moradores que se transformaram em atores. Como os filmes tinham um lado de humor, os nomes dos personagens também eram bem criativos, como, Boto Mineiro, Carlão Maçaneta e professor Vicente Esbornio.
 
A ideia nasceu numa brincadeira durante conversa entre amigos, e quando conseguiram emprestar uma câmera, que na época era cara, começaram as filmagens. O filme Trun contou com 20 pessoas no elenco e foi lançado em 1988. Depois vieram Caçadores de Vampiro (1990), Máfia em Jaguariúna (92) e Máfia em Jaguariúna II – A Volta do Boto (1994), que contou com a maior participação de elenco, reunindo 80 pessoas entre atores, técnica, figurantes e integrantes da direção.
 
O diretor Adriano Poltronieri conta que cada filme demorava em torno de seis meses para ficar pronto, entre gravação, edição e lançamento. “Não havia cronograma porque a gravação era feita de acordo com a disponibilidade das pessoas, pois eram voluntárias”, salienta Adriano.
 
Ele conta que a edição era feita com dois videocassetes, com corte seco, além de utilizar o aparelho de som para colocar música e fazer a trilha sonora, pois não havia ilha de edição. “Era gostoso, porque a gente dava muitas risadas por trás das câmeras, e inclusive algumas cenas erradas foram mantidas, pois na época, não pensava em divulgar para as outras pessoas e nem tinha internet”, frisou.
 
Os filmes foram guardados em DVDs e aconteceram exibições no Centro Cultural e no Teatro Municipal Dona Zenaide. “O pessoal se divertia porque conhecia os atores”, frisou Adriano completando que o mais importante foi a união e o fortalecimento da amizade entre as pessoas.

O vídeo com o filme Trun pode ser assistido no canal do site no Youtube. 

 
Compartilhe:
Comente: